No âmbito do projeto Conversa com Valores, os alunos do 9.º ano de escolaridade assistiram e participaram no passado dia 13 de janeiro numa sessão com a Antiga Aluna Júlia Henriques.

A Antiga Aluna Júlia Henriques está a frequentar atualmente o Curso Superior no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.
Deu início à sua apresentação dando enfoque à importância das tradições que fazem parte do Instituto dos Pupilos do Exército e que devem ser valorizadas, pois são memórias que são guardadas e contribuem de forma significativa para o crescimento.
Recordou com saudade um dos melhores momentos da sua vida, enquanto aluna – a viagem aos Açores para participar nas comemorações do dia do Exército. Salientou as semanas de campo e a frequência no curso de paraquedismo. Foi uma oportunidade que agarrou e que considerou fundamental para a sua aprendizagem.

Foi aluna graduada e, ainda que inicialmente tenha sido difícil lidar com crianças mais novas, houve a necessidade de aprender, o que terá contribuído para o seu crescimento.
Para tal também terá contribuído a semana de alunos graduados, que foi desafiante e fomentou o espírito de camaradagem e união.
O facto de ter sido Comandante da 4.ª Companhia ajudou-a a adaptar e a liderar pessoas, camaradas do mesmo ano.

Ainda que privada da cerimónia habitual no final do seu percurso escolar no IPE, devido à pandemia Covid 19, quando se candidatou ao Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, levou consigo uma mala pequena, mas uma experiência grande, ao contrário dos outros candidatos. No final da primeira semana percebeu que se estava a adaptar e até já ajudava os seus novos colegas que tinham alguma dificuldade em adaptar-se às formaturas e a tudo o resto. O facto de ter sido aluna do IPE, o internato, a formatura, os valores vividos colocavam-na na linha da frente.

Sob forma de conselho, ressalvou a importância de, apesar de saberem que são mais capazes e mais experientes, serem humildes e ajudarem os que sintam mais dificuldades. Apesar das capacidades e experiência, continuou a confrontar-se com novas exigências: acordar às 05h30 para correr era difícil, mas adaptou-se e hoje já não custa, é normal.
Tratando-se de um Instituto que recebe alunos de outros países e culturas, aprende-se muito e partilham-se experiências que nos ajudam a perceber como as sociedades funcionam e nos ensinam a respeitar as diferentes culturas.

Para além deste conhecimento adquirido no contacto com a multiculturalidade, no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, há as habituais aulas teóricas e três ou quatro disciplinas policiais, nas quais se aprende a parte defensiva, Judo e Educação Física.

A vivência enquanto cadete mostrou-lhe que a união entre os colegas de quarto cria laços fortes. São quarenta e aprenderam a estudar juntos, a ajudar-se. A camaradagem é intrínseca e fluída. Se alguém reprova, reprovam todos e é o curso que fica em cheque. Há um compromisso de todos com todos. A existência de muitos projetos realça a obrigação de todos terem um papel ativo na sociedade.
Nos encontros entre academias há sempre outros Antigos Alunos dos Pupilos que partilham e guardam na sua memória muitas das vivências enquanto alunos e uma saudade que parece crescer também com o tempo.

Os alunos assistiram com muita atenção e fizeram várias perguntas. Procuraram tirar dúvidas relativamente a esta opção de futuro profissional e ficámos a saber que alguns têm intenção de seguir este percurso.