No dia 10 de janeiro, os alunos do 10.º ano foram ao teatro “A Barraca” assistir à representação da Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente. No regresso, referiram… 

“Do meu ponto de vista, a peça foi muito criativa, gostei muito de cada cena, de cada fala… nada me tirou a atenção da apresentação. Os atores fizeram questão de nos manter sempre entretidos e de nos fazer rir e ainda assim aprender alguma lição. Acho que a mensagem foi bem transmitida e isso deve-se à capacidade de expressão de cada ator, o que me leva para a parte de que mais gostei, o momento em que o “encantador” escudeiro (Brás da Mata) já não se mostrou assim tão encantador e, numa mudança radical, se revelou agressivo e “bruto” para com Inês. Foi uma grande atuação!  

Espero poder assistir a mais peças como esta, pois é uma forma diferente de aprender mais.” 

Alessandra Samuel, 17/19 

“A Farsa de Inês Pereira é uma obra conhecida por todos. Previamente à ida ao teatro fomos elucidados para o conteúdo da obra, através de um resumo e de um trabalho de pesquisa. A representação da peça transmite toda uma dinâmica e ênfase que não são possíveis de captar com a leitura. Para além disso, a representação desta companhia teatral apresentou alguns traços de modernidade, que a assemelham à nossa realidade e ambas ajudaram na diferenciação entre o livro e a peça. No final, considero a peça uma boa transmissão da obra com certas alterações que a melhoram e a diferenciam do comum.”  

Nuno Vieira, 72/18 

“Para mim esta ida ao teatro foi refrescante pelo facto de me ter habilitado a fazer uma viagem que já não era feita há muito tempo. Falando acerca da peça em si, achei divertida e inovadora a forma como os atores da A Farsa de Inês Pereira interpretaram e executaram o seu papel. Estes pensaram no público e conseguiram fazer com que os adolescentes e adultos aproveitassem esta peça para se divertirem um pouco. 

Com esta peça teatral fiquei a conhecer mais um pouco acerca da farsa, pois consegui adaptar e interligar os acontecimentos e, ao estar lá presente, consegui visualizar os acontecimentos teatrais. 

Reparei na estrutura da sala em que estive presente e no bom ambiente auditivo que a mesma nos proporcionava porque a madeira do chão do palco era oca. Com este aspeto a peça teatral teve mais qualidade. 

Gil Vicente fez as suas obras com bastante comicidade e esta peça foi adaptada de forma correta. 

Para mim, o aspeto mais cómico foi a forma como as personagens estavam vestidas e a sua própria personalidade, excelente caracterização!” 

Pedro Terceiro, 193/19 

“Achei a peça muito interessante e engraçada. Gostei muito do cenário e das personagens. Foram feitas muitas adaptações, mas isso tornou-a mais divertida. Gostei particularmente da personagem Brás da Mata no momento em que este se referiu às cassetes.” 

Maria Morais, 10/17 

“Eu apreciei bastante a peça a que assistimos no teatro “A Barraca”. Penso que graças ao visionamento da mesma irei perceber e interpretar melhor esta farsa de Gil Vicente. Os momentos de que mais gostei foram aqueles em que o Escudeiro introduziu expressões ou gestos da sociedade atual numa peça que tem por objetivo satirizar a sociedade do século XVI.” 

Tomás Raimundo, 90/22 

“Eu gostei de ir ao teatro “A Barraca”, porque eu adoro teatro e foi bom para me distrair. Gostei também de poder sair do IPE com os meus camaradas.” 

Tiago Albano, 282/19 

“… definitivamente, no final desta peça fiquei com maior interesse em estudar a obra.” 

André Rosa, 75/18 

“Eu gostei muito de ir (…) ao teatro com os meus camaradas. (…) consegui compreender melhor a obra e diverti-me ao mesmo tempo.” 

Bruno Gião, 505/22

 

“(…) a peça estava de acordo com o que demos na aula, gostei muito da representação dos atores. Penso que foi uma experiência muito boa, pois além de nas aulas compreendermos o texto, ainda se torna melhor quando isso se torna realidade”  

Miguel Cruz, 87/19 

“(…) a forma da atuação dos atores em palco fez-me recordar do tempo de criança, em que ia ao teatro com a escola e sentava-me calado a observar. A maneira como eles se empenharam no seu papel, o amor que deram às suas personagens e os improvisos feitos no momento tornaram esta peça inesquecível”. 

Martim Correia, 71/18 

“(…) foram adicionados acontecimentos que não fazem parte da obra para causar maior impacto. (…) Com estas alterações na obra, posso afirmar que foi muito bem adaptada para alunos do 10ºano e deu para perceber muito melhor a obra”. 

Carlos Miguel, 438/20 

“No meu ponto de vista, a peça foi interessante e adequada, esta espoletou muitas gargalhadas nos espectadores. A peça ajuda a fazer entender a obra de uma maneira mais divertida e interativa, o que motiva os alunos a apreciar a mesma. Espero que se repitam mais atividades como esta.” 

Sara Caldeira, 278/19