No dia 21 de janeiro, decorreu no IPE, mais uma palestra no âmbito da “Conversa com Valores” para os alunos do 9.º ano. Desta vez a “conversa” ficou a cargo do Exmo. Coronel Tirocinado José Lages, antigo aluno do Instituto.

Após apresentação do orador feita pelo Exmo. Diretor, Coronel Sobral dos Santos, relativa ao seu percurso escolar enquanto aluno no Instituto, o seu percurso pessoal e profissional, foi dada palavra aos alunos para eventuais questões e comentários. A curiosidade e a partilha de experiências, sempre muito enriquecedoras, fizeram também parte do diálogo.

À primeira questão, “Qual foi o momento mais marcante no IPE?”, a resposta foi imediata: “A primeira noite… longe de casa… vim do Porto, entrei para o 5.º ano… foi um momento difícil…” No entanto, apesar da distância da família e das poucas visitas, porque as aulas aos sábados não permitiam, em nenhum momento pensou sair. Alimentou-se daqueles que considera os principais valores da sua nova casa: Camaradagem, Espírito de Corpo, Coragem, Lealdade e Solidariedade. Houve um momento particularmente difícil, quando teve de repetir o ano por não ter estudado, que serviu de prólogo para um sábio conselho aos nossos alunos: “…concentrem-se nos vossos objetivos, foquem-se no futuro, aonde é que querem chegar”.

Com outras questões, ficámos a saber que o nosso convidado após a concretização do 12.º ano no nosso Instituto, concorreu e ingressou na Academia Militar. Nesta difícil caminhada, encarou a praxe como um ritual educativo, a solidez da formação que daqui levou, ajudou-o a tomar decisões com clareza e rigor, por isso diz não se arrepender de nada.

Na altura, só no Ensino Secundário ficava ao alcance do pilão o ser graduado, experiência que apreciou, apesar do acréscimo das responsabilidades.

Foi Comandante de Secção e da 4.ª Companhia dos Cursos Superiores e, realçando a tradição, gostou particularmente do Carnaval, com o seu “enterro”, “récita” e “banhadas”.

Como Atividades de Complemento Curricular, foi federado pela equipa de andebol, jogou futebol, basquetebol, fez teatro, taekwondo e esgrima. Desportista que era, “queria fazer tudo!”

Recebeu “todas as medalhas de Educação Física e várias de mérito escolar”, integrou no curso de “Mecanotecnia”, mais conhecido como curso de máquinas, e o nosso lema, “Querer é Poder”, que vai ao encontro do lema da Academia Militar, “Vontade e Valor”, tê-lo-á motivado para o curso de Operações Especiais, onde pôde pôr à prova as suas capacidades físicas e psicológicas.

Esclarecida a patente “Coronel Tirocinado”, porque frequentou o Curso de Promoção de Oficial General, o nosso ilustre convidado conseguiu ter a sua profissão de sonho: seguir a carreira das armas, optando pelo Exército. E entre as várias missões que já realizou, porque não houve oportunidade para mais, marcou-o particularmente a que integrou no Kosovo, em 2005, a seguir à guerra na antiga província da Sérvia. Gostou de ter dado o seu contributo para a estabilização da paz naquela região.

Apesar dos perigos associados a estas missões, quando o questionaram se alguma vez levou um tiro, ainda que tenha respondido afirmativamente, esclareceu que fora apenas de uma pressão de ar, “nas brincadeiras de ir caçar pardais”.

Brindados com uma conversa tão afável, só poderia terminar com uma enorme salva de palmas e uma “jacarezada” entoada pelos alunos presentes.