No dia 13 de março veio a decisão. O Instituto, tal como as outras Escolas do País, tinha de encerrar.

Alunos e professores, a partir dessa data, ficavam em confinamento social de modo a evitar o aumento exponencial da propagação do Covid-19.

E logo foram tomadas as decisões. Desde a primeira hora do dia 16 de março, ao primeiro tempo das 08h00 da manhã, começávamos o nosso Ensino a Distância (EaD), cumprindo o nosso horário, e registando as atividades e os sumários na nossa plataforma de gestão escolar.

De um momento para o outro, entraram no nosso vocabulário «aulas síncronas e assíncronas», e começámos a partilhar experiências e conhecimento de plataformas e hoje já todos mais ou menos sabemos, o que são o «Teams», «Discord», «Zoom», «Mesas Digitais», «Google Classroom», «Escola Virtual» e, é justo reconhece-lo, as grandes editoras desde os primeiros dias que tornaram acessíveis os seus conteúdos digitais, e apoiaram o esforço que a Escola tem que fazer neste final de ano letivo tão diferente e especial, em que o EaD entrou de rompante pela Escola e na casa dos portugueses.

Também de um momento para o outro nos encontrámos numa nova realidade. Tínhamos perdido a sala de aula presencial, espaço de igualdade, mas também de equidade e de diferenciação. Tínhamos os nossos alunos espalhados por diferentes espaços e em diferentes condições, nomeadamente, de acesso aos meios que permitem o EaD, e as nossas abordagens individualizadas, os nossos planos de intervenção multinível, as nossas tutorias, também teriam de se reinventar.

Para isso mantivemos a estrutura base e montámos a nossa rede de comunicação – professor/alunos/encarregado de educação (EE) – tendo como pilares os Diretores de Turma, os Coordenadores de Ciclo e os Diretores de Curso.

Definimos e afinámos nestas três semanas, um modelo de relatório semanal que, entre outras coisas nos permite saber e avaliar:

  • O desempenho do aluno escalonado em 4 níveis;
  • A facilidade do contacto com o EE, também escalonado e diferenciado;
  • A modalidade e possibilidade de acesso a meios informáticos;
  • Se em termos de saúde todos os alunos, EE e professores de cada Turma se encontram bem.

E fomos montando as nossas salas de aula e fomos partilhando as nossas experiências e os nossos resultados.¹

 

Como somos uma Microsoft Showcase School, e passe uma vez mais a publicidade, todos temos acesso ao endereço pupilos.eu e às ferramentas do Office 365, o que nos permite realizar os Conselhos de Turma, na plataforma «Teams», tendo a colega responsável pela manutenção do Office 365, e elementos do grupo de Informática, criado os necessários Tutoriais para que o acesso seja efetivo. Se for necessário, manter esta situação e realizar os Conselhos de Turma para avaliação, com toda a documentação e formalismo que isso implica, estamos preparados.

Nesses Conselhos de Turma participam também o Comandante de Companhia e, quando se justifica, a professora de Ensino Especial. Contamos ainda com o apoio do Gabinete de Psicologia que também, desde a primeira hora, se adaptou a estes tempos de distância e está próximo, e à distância de um clique, para que ninguém fique, definitivamente para trás.

E fomos afinando o processo, e fomos percebendo que por vezes temos que dar mais tempo na tarefa, porque perdemos a nossa sala de aula presencial e não estamos todos lá. E os Diretores de Turma voltaram a ser o veículo e alvo das queixas de alguns alunos e EE. «Stora, a sua colega de …, passa muitos trabalhos de casa e dá-nos pouco tempo para os realizarmos!»

E de repente percebemos! Tínhamos a Nossa Escola! Não tínhamos continuado na Escola mas tínhamos continuado a Escola! Era o Pilão e a sua rede que continuava e continua a funcionar!

Pode parecer estranho, sobretudo àqueles que, estando afastados do processo, não põem, aos dias de hoje, devidamente desinfetadas, as mãos na massa.

Claro está que temos novas e velhas dificuldades, mas continuamos a ensinar História e Geografia de Portugal; Inglês², Francês e Alemão; Educação Física; Tecnologias e Processos³, Matemática⁴; Música⁵ e Programação. São múltiplos os saberes, poderão ser múltiplas as abordagens, e múltiplas as novas dificuldades.
Ter consciência dessas dificuldades e superá-las, para alunos e professores, ser capaz de dar respostas diversas e adequadas a cada situação, conteúdo, competência, que se pretenda promover é aquilo que nunca podemos perder de vista. É a aprendizagem! É o processo de ensino e de aprendizagem naquilo que lhe é essencial!
Subsiste ainda muita incerteza. Sem dúvida. Essa parece aliás ser, por estes dias, a única certeza, mas vamos reagir e superar as dificuldades, vamos preocupar-nos mais em ensinar do que em, cinicamente procurar avaliar o que os nossos alunos não sabem, e vamos fazê-lo, com rigor, com inovação e com qualidade porque este é o ADN da nossa Escola e porque sabemos que, hoje como ontem, Querer é Poder!
Vamos agora comemorar a Páscoa em família e em nossas casas, mas a nossa rede está montada e os nossos objetivos são bem claros:

  • Continuar a nossa Escola;
  • Continuar a saber uns dos outros;
  • Continuar a cuidar dos que têm maiores dificuldades.

Os Parabéns a todos os alunos e encarregados de educação, ao Corpo de Alunos e ao Gabinete de Psicologia, e sobretudo a todos os meus queridos colegas, com quem tem sido um privilégio, embora distante, partilhar este confinamento.

 
Uma Páscoa Muito Feliz e Muita, Muita Saúde!
Miguel Viegas Gonçalves
Coordenador Pedagógico à distância
Professor


¹ Vide Anexo 1. – Partilha realizada por um professor que contactou a Escola Virtual
² Vídeo realizado no âmbito da disciplina de Inglês
³ Vide Anexos 2 e 3 – Breve descrição da metodologia de trabalho adotada na disciplina de Tecnologias e Processos, módulo7
Vide Anexo 4 – Partilha de uma professora de matemática
Vide Anexo 5 – Partilha da professora de música