Hoje, 3 de Setembro, o AA e BH Cor Eng Barbosa Pereira comemorou as bodas de Ouro do seu Casamento na Capela dos Castros.

No final da cerimónia religiosa foi homenageado, atribuindo-se o seu nome a uma das alas dos Claustros do Instituto.

José Gerardo Barbosa Pereira, nasceu na ilha de S. Miguel, Açores, no ano de 1940, é casado e pai de três filhos. É Coronel do Exército, da Arma de Engenharia, na situação de reforma.
Frequentou o IPPE – Instituto Profissional dos Pupilos do Exército- desde o ano de 1951 a 1959, e, tendo concluído o Curso Médio de Contabilista, concorreu à Academia Militar. Tendo gosto em entrar para o Curso de Engenharia, preparou-se para completar a alínea f) dos liceus (frequentando aulas das disciplinas em falta) nas duas férias grandes seguintes, aproveitando as possibilidades oferecidas pela Ex.mo Director dos Pupilos do Exército.
Assim, no fim da frequência do 1.º Ano Geral, ficando bem classificado, escolheu o Curso referido. Faltava ser publicado um despacho ministerial que alterasse o procedimento anterior para com os ex-alunos dos Pupilos do Exército, que, então, entravam directamente para o Curso de Administração Militar. Tal veio a acontecer, por diligências de várias entidades.
Na sessão solene de Abertura do ano lectivo de 1959-60, no Instituto, recebeu o Prémio Querer é Poder que, então, fora criado. Nesta cerimónia recebeu também a quarta medalha de prata.
Além da licenciatura em Ciências Militares pela Academia Militar, tem a de Engenharia Civil pelo Instituto Superior Técnico completada no ano de 1966, tendo ingressado, no ano seguinte, no Quadro de Engenharia Militar do Exército Português.
Na Academia Militar, nos anos de 1960 e 1963, recebeu o Prémio honorífico de aptidão intelectual.
Na década de noventa frequentou a licenciatura em História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa que concluiu em 1996. Depois, obteve o grau de Mestre em História Moderna pela mesma Faculdade, que terminou em 2001 com a classificação de Muito Bom, tendo apresentado uma dissertação intitulada “ A Restauração de Portugal e do Brasil. A figura de Francisco Barreto (ou Francisco Barreto de Menezes)”.
Na mesma Faculdade de Letras, em 2012, completou o Doutoramento em História e Cultura do Brasil, com uma tese intitulada “ Sociedade, elites e poder em Pernambuco no século XVII”, tendo sido aprovado com distinção e louvor.
É investigador do Centro de História da Universidade de Lisboa.

I
Ao longo da sua carreira militar, prestou serviço na Escola Prática de Engenharia em Tancos, no Regimento de Engenharia de Lisboa, na Direcção do Serviço de Fortificações e Obras do Exército em Lisboa e, no comando da Companhia de Construções 2526 que esteve sediada em Luanda, no Agrupamento de Engenharia de Angola.
Foram diversos os trabalhos realizados em Angola pela sua Companhia de Construções. Por administração directa: 130 obras em Luanda, Norte de Angola e Cabinda; por empreitada, a fiscalização de 20 obras. De registar também os cerca de 30 relatórios técnicos solicitados, e as deslocações individuais de pessoal qualificado para tarefas noutras regiões.
Alguns testemunhos do trabalho da C. Const. 2536, de divisa “ Mãos à Obra”:
. No jornal do Agrupamento de Engenharia de Angola “ O Barrote”, de 15 de Julho de 1971, um artigo assinado pelo Major Nuno Lopes Pires menciona as principais obras realizadas bem como os 68 louvores dados a militares da C. Const. 2536, dizendo: «o que atesta a forma digna e eficiente como trabalharam durante 26 meses de comissão em Angola».
. No Museu Militar, em Lisboa, a exposição sobre a Guerra Colonial de 1961-74, no painel sobre a Engenharia Militar, contém significativa mostra de uma obra realizada nos Dembos pela C. Const. 2536: o Fortim do Dange.
. Na História das Fortificações Portuguesas no Mundo, das Publicações Alfa, na página 315 (edição de 1991), há um artigo sobre o mesmo Fortim do Dange, com uma fotografia.
Na Academia Militar, nos anos de 1981 a 1991, exerceu o cargo de professor do Curso de Engenharia; exerceu, a seguir, o cargo de Secretário escolar do Ensino Superior no Instituto Militar dos Pupilos do Exército (1991-1993).
Nos Exercícios militares “Orion”, teve participação durante vários anos da década de 1980, chefiando a Secção de Controlo de Danos adstrita à Direcção do Exercício.

Na sua carreira militar, recebeu os seguintes louvores:
– De Oficial General
De Comandantes da Região Militar de Tomar em Jan.º de 1974 e Jul. de 1974.
Do Sub-Director do Serviço de Fortificações e Obras do Exército em 1980.
De Comandantes da Academia Militar em 1987 e 1991.
Do Director do I.M. dos Pupilos do Exército em 1994.
– De Comandantes de Unidades:
Do Agrupamento de Engenharia de Angola em 1972
Da Escola Prática de Engenharia em 1981.

II
Após a licenciatura em História, participou, em Novembro de 2000, no X Colóquio de História Militar, organizado em Lisboa pela Comissão Portuguesa de História Militar, com a seguinte comunicação: “ Francisco Barreto de Menezes e as Capitulações do Sítio do Recife,1654.”
Em Outubro de 2001, na Sociedade Histórica da Independência de Portugal, proferiu uma conferência intitulada “ A identidade nacional e o ensino da História de Portugal”.
Nos anos de 2002 a 2005 participou nos Colóquios de História Militar, em Lisboa, tendo apresentado, sucessivamente, as seguintes comunicações: “ A ofensiva dos Almóadas no reinado de D. Sancho I”; “A corrida a África. Portugal na Conferência de Berlim de 1884-85 “; ”A primeira Batalha dos Guararapes. Recife 1648”; ”A segunda Batalha dos Guararapes. Recife 1649”. Destas comunicações foram publicadas separatas.
Em Novembro de 2005 participou no Congresso Internacional organizado pela Universidade Nova de Lisboa, sob o tema “O espaço do Atlântico do Antigo Regime: poderes e sociedades”, tendo apresentado a comunicação intitulada: “ A Insurreição Pernambucana de 1645”.
Em Setembro de 2006 participou, na cidade de João Pessoa, Brasil, no I Encontro Nordestino de História Colonial, organizado pela Universidade Federal da Paraíba, onde coordenou o Simpósio Temático “ Análises sobre o Brasil Holandês” e apresentou uma comunicação intitulada: “ Francisco Barreto de Menezes e as capitulações do sítio do Recife no ano de 1654”.
Em Setembro de 2008 participou, na cidade de Natal, Brasil, no II Encontro Internacional de História Colonial, organizado pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, onde apresentou uma comunicação intitulada: “Para a historiografia da Restauração de Pernambuco: Um estudo comparativo da Relação inédita de Francisco de Brito Freire sobre a capitulação do Recife”.

III
Durante os anos em que os seus filhos frequentavam as escolas de ensino básico, logo após o “25 de Abril de 1974”, em que o sistema de ensino não conseguia responder em devido tempo ao aumento da população escolar, teve participação nas Associações de Pais sendo membro fundador de três. Foi membro fundador da Federação Regional de Lisboa das Associações de Pais (FERLAP) e da Federação das Associações de Pais do Concelho de Oeiras (FAPCO), nelas desempenhando cargos directivos durante vários anos. Pertenceu ao primeiro Conselho Executivo da Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP), sendo eleito também nos dois anos seguintes. Em todas estas entidades participou na elaboração dos respectivos estatutos.
No ano de 1979 foi convidado a colaborar na Associação dos Pupilos do Exército, tendo ocupado cargos de Direcção durante dezasseis anos.
No mesmo ano começou a colaborar na redacção do Boletim trimestral e fê-lo durante algumas décadas. Nos meados da década de 1990 foi eleito para o Conselho Geral, em anos sucessivos, tendo desempenhado o cargo de Secretário durante mais de uma década.
Na Associação dos Bombeiros Voluntários de Carnaxide desempenhou cargos, durante uma década, na Presidência da Mesa da Assembleia Geral, tendo procedido à revisão dos respectivos Estatutos.
Foi colaborador da Comissão de Moradores de Carnaxide, tendo , a certa altura, sugerido a construção em Carnaxide de um Centro Cívico. Depois, participou no Júri que, em 1983, escolheu a proposta arquitectónica entre as 15 apresentadas ao Concurso de ideias.
É membro fundador, em 1986, do Clube de Carnaxide Cultura e Desporto, e, em 1998, de uma IPSS de nome “Associação para a inserção sócio-cultural e profissional da família” sediada na Portela, Carnaxide.

IV
Publicou o livro A Restauração de Portugal e do Brasil, no Rio de Janeiro, editado pela Biblioteca do Exército, no ano de 2004. Contém o texto da dissertação de mestrado em História Moderna. Este livro recebeu, em 2008, o prémio anual atribuído pela Sociedade Histórica da Independência de Portugal.
Na Revista Al-ulya N.º 10 de 2004, editada pelo Arquivo Histórico Municipal de Loulé, publicou um artigo intitulado “ Francisco Barreto vencedor dos holandeses no Recife em 1654”.
No Boletim da Associação dos Pupilos do Exército tem publicado artigos diversos desde o ano de 1979.
No Boletim “O Referencial “ da Associação 25 de Abril publicou artigos sobre História de Portugal ao longo da década de 1990.
Na época das comemorações dos 500 anos dos Descobrimentos Portugueses, publicou diversos artigos alusivos, em diversos jornais regionais de Norte a Sul do nosso País.

V
É membro das seguintes entidades colectivas: Ordem dos Engenheiros, Associação dos Professores de História, Associação dos Pupilos do Exército, Associação 25 de Abril, Associação Portuguesa de Orientalismo, Sociedade Histórica da Independência de Portugal.

 

Mais Fotos