Discurso do Sr Almirante Nunes da Cruz, alusivo à Cerimónia:

(5.11.2015 – Descerramento da placa comemorativa do 60º aniversário da entrada dos caloiros de 1955)

Sr. Coronel João Miranda Soares, Ilustre Director do Instituto dos Pupilos do Exército
Senhoras e senhores convidados
Meus caros condiscípulos de 55
Estamos hoje aqui reunidos para prestar uma singela homenagem ao Instituto, na passagem do 60.º aniversário da nossa entrada para esta Casa “tão bela e tão ridente”.

É da praxe, em cerimónias como esta, serem ditas algumas palavras alusivas ao acto e consequentemente haver quem as diga. Hoje, coube-me a mim essa incumbência honrosa, que aceitei com inteiro agrado, por “nomeação” do Fernando Pires, verdadeiro motor desta realização e a quem nunca se pode dizer que não.

Não lhe perguntei qual o critério, mas penso, certamente, que foi por ser o mais alto dos presentes. Aproveito para referir o que todos saberão, que o Fernando, dado o entusiasmo, empenho e generosidade que põe em todas as realizações quer no âmbito da nossa Associação de que é um activo, eficiente e eficaz vice-presidente quer em tudo o que se relaciona com o Instituto, continua a ser por direito próprio e utilizando uma linguagem futebolística, o titular do lugar de “ponta de lança”na grande equipa dos antigos alunos.

Senhor Director: Quis V. Exª honrar-nos com a sua presença neste evento, o que muito o valoriza, prescindindo de uma boa parte de um seu dia de descanso nas árduas e trabalhosas tarefas de homem do leme na condução desta barca centenária, por mares não poucas vezes alterosos. Consideramo-lo todos também um elemento da família Pilónica. Por uma dupla razão: primeiro, por via hereditária; segundo, pelo muito que tem feito, e fazemos votos de que o possa continuar a fazer por muito tempo, em prol do Instituto. Por tudo isso, o nosso muito obrigado Sr. Cor. Miranda Soares.

Caros amigos e condiscípulos de 55:
Passados 60 anos desde a primeira vez que pisámos este chão, aqui estamos novamente. É pena que não possamos estar todos os que então entrámos, mas a lei da vida isso não permitiu.Uns por uns motivos, outros por outros e ainda outros por já terem partido à frente para a inevitável viagem sem regresso físico, porque em pensamento aqui estarão enquanto deles nos lembrarmos. Para estes, um nosso pensamento especial. A placa que acabámos de descerrar e com que pretendemos homenagear o nosso querido Instituto é simples, mas encerra todo o nosso sentir, tudo o que neste momento nos vai na alma. Olhemos para os seus dizeres: “O passado não é o que passa, é o que vai ficando” É bem verdade! O nosso passado, o do tempo em que fomos alunos, não ficou perdido nas brumas das memórias esquecidas. Acompanhou-nos durante a vida, está connosco, vivo, como teremos ocasião de comprovar no decurso do almoço que se vai seguir. As boas recordações, e principalmente essas, acompanham-nos, muito especialmente quando nos enquadramos neste ambiente mágico que é e sempre será para nós o nosso Instituto. Quantos de nós neste momento não estarão a recordar as primeiras impressões do dia em que aqui entrámos, da primeira noite em que aqui dormimos, das primeiras aulas que tivemos, dos primeiros amigos que fizemos!Temo-las bem presentes, como se esses acontecimentos de há 60 anos tivessem ocorrido ontem! Os valores que aqui nos foram inculcados, a amizade, a solidariedade, a camaradagem, a frontalidade, a verdade, o espírito de bem servir, o trabalho, a honestidade, entre outros, na complexa fase da adolescência, transição da nossa vida infantil para a adulta, formataram-nos para o resto das nossas vidas. E orgulhamo-nos de que assim tenha sido. 60 anos! Valeu a pena Sim, valeu a pena. A prova é que estamos aqui reunidos, passado o tempo de uma vida, rejuvenescidos em pensamento seis décadas, confraternizando com a mesma amizade e camaradagem, quer com aqueles que mais têm sido nossos mais próximos companheiros de viagem quer com aqueles que nunca mais tínhamos visto, caras já desconhecidas pelas rugas e cabelos brancos, ou falta deles, mas bem recordadas quando identificadas. Por tudo o que esta Casa nos deu e que nos continua a dar, o nosso Obrigado IPE Tenho dito.”

(Fotos do AA e BH Fernando Pires)